sábado, 9 de fevereiro de 2008

Descarte de óleo

Cada vez mais surgem iniciativas para alertar sobre a importância do descarte adequado do óleo de cozinha usado. Uma delas, que já divulguei aqui, é do Banco Real. Volto ao assunto pra registrar a matéria que saiu sobre o Bioauto, com o Stefan Klaos Lins, no Jornal da Orla, de Santos, do finde último:

"Quando despejado pelo ralo, o óleo de fritura chega à rede de esgoto e é lançado no mar ou nos rios. O problema é que o óleo é menos denso que a água e ele se espalha pela superfície com muita facilidade. Basta ver que apenas um litro de óleo é suficiente para contaminar até um milhão de litros de água, impedindo a passagem de luz solar na água, além de prejudicar a oxigenação das plantas aquáticas e afetar todo o seu ecossistema Portanto, cada litro de óleo recuperado equivale a milhares de litros de água preservada", explica Stefan Klaos Lins, químico santista especializado em meio ambiente.

Para colaborar, basta levar o óleo de cozinha usado até o Banco Real do Gonzaga. Ou no Banco do Brasil, Posto 2, Núcleo Bandeirante Ponta da Praia (prox. Rebouças) ou em qualquer outro posto de coleta de sua cidade.

3 comentários:

Andréa N. disse...

Isso é tão importante e parece que ninguém dá muita atenção. Eu sempre penso na quantidade que é despejada pelo ralo da pia aqui em Nova York nas centenas de restaurantes. Tsc, tsc, tsc. Só de pensar me dá um nó na garganta.

Andréa N. disse...

By the way, não, não há coleta aqui em Manhattan. A gente tem que por num recipiente e jogar no lixo orgânico. claro que isso já é alguma coisa (pra quem faz isso na prática, coisa que acredito seja muito pouca gente). Mas esse óleo todo podia tanto ser reciclado. Que saco.

Luz Fernández disse...

Vejam só. Uma megalópole como Nova Iorque não tem coleta de óleo. Há coisas que no Brasil estamos à frente. Viva o jeitinho brasileiro!